Arquivo da tag: politica ambiental

Seminário ESTADO, POLÍCIA E PERSEGUIÇÃO POLÍTICA NA HISTÓRIA

Na UNIRIO, AV. Pasteur, 458 Urca RIO DE JANEIRO dia 17/11 das 10 às 17 horas

cartazseminário

Deixe um comentário

Arquivado em Estado, Perseguição política, Polícia, Politica

“Para Mudar Tudo”, um projeto anarquista

A p r e s e n t a ç ã o:

Mudanças climáticas, escassez de água, crises econômicas que ameaçam nossos empregos já instáveis e precários, bem como nosso acesso a alimento, saúde e moradia: a ordem dominante é insustentável em todas as suas formas. Até mesmo os seus maiores representantes, como a mídia, políticos e empresários, admitem que são necessárias mudanças radicais. Mas por que deveríamos pedir ou esperar que essas autoridades tomem a iniciativa?

O que seria, realmente, mudar tudo? Como escolheremos caminhos diferentes?

O projeto “Para Mudar Tudo” tem como objetivo a propaganda dos pensamentos e valores libertários e radicais para pessoas que ainda não tiveram contato com essas ideias ou práticas mas que mesmo assim sentem que precisamos resistir à ordem política vigente. Ele conta com um texto introdutório ao pensamento anarquista e em linguagem acessível, levado ao público por diferentes formatos: 4 mil cópias de uma revista impressa com cerca de 50 páginas, uma versão em pdf para download, uma versão em vídeo do mesmo texto com cerca de 8 minutos para circulação na internet, posters e adesivos para serem difundidos nas ruas, espaços libertários, centros sociais, ou mesmo pregado nos quartos de jovens rebeldes. Tudo isso reunido em um site para download gratuito e livre difusão.

Todo o projeto – vídeo, texto, site – foi produzido e adaptado para cerca de 14 idiomas por coletivos locais de cada país para ser lançado ao mesmo tempo nos 5 continentes e propagar o caráter sem fronteiras e cooperativo do anarquismo. Cada versão foi também devidamente adaptada ou reescrita pelos coletivos locais para ser usada como plataforma de diálogo com indivíduos e iniciativas de cada região. Então, com exemplos, contextos, imagens e linguagens, tentamos falar da nossa realidade e propor formas de resistir às opressões existentes nela.

Nosso site tem como proposta servir de introdução a pensamentos e ações libertárias e te colocar em contato com grupos e pessoas agindo – ou que aspiram agir – para resistir e transformar a realidade em que vivemos.

Aproveite o conteúdo e fique à vontade para entrar em contato!

Conheça o projeto evisite nossa página em português: paramudartudo.com

Agradecemos pela contribuição à agência de notícias anarquistas-ana

Deixe um comentário

Arquivado em Anarquismo, Autonomismo, Ecologia Social, relacao ser humano / natureza

Parque Estadual Pedra Branca – Núcleo Camorim

Dia 25 de outubro, vésperas de segundo turno das eleições, a disciplina de História e Meio Ambiente do curso de História da UNIRIO promoveu uma visitação ao Parque Estadual Pedra Branca, núcleo Camorim, um dos últimos redutos florestais dentro da Guanabara. A visita percorreu a trilha do açúde chegando ao topo a 435 m. de altura, onde se encontra a represa que abastece a água de parte da baixada de Jacarepaguá. A construção iniciada em em 1908 demonstrava, já naquela época, o empenho de alguns conservacionistas em preservar as nascentes de água do município. Em vão, desde então, muito pouco foi feito nsse sentido e a água consumida no Rio tende a vir cada vez de mais longe. Na visita foi possível observar a transformação da paisagem da floresta secundária, à medida que íamos subindo percebe-se sua recomposição de modo mais cosnistente, tornando-se mais espessa. A área do Pedra Branca, cuja transformação em parque data e 1974, sofreu no decorrer da história com diversos ciclos de apropriação de seus recursos naturais. Pensando desde a época colonial, com o engenho do Camorim da família de Gonçalo de Sá, ainda no final do século XVI, cuja mata de encosta servia à extração da madeira necessária, principalmente, às atividades de transporte da cana por carros de boi. Fora do Parque, a capela de São Gonçalo do Amarante pertencente ao antigo engenho, de 1625, restaurada, é um bom início da visita. Num segundo momento, já sob controle dos frades beneditinos, a área passa a ter ação das culturas de subsistência de escravos e libertos, no que com o tempo foi assumindo um caráter de quilombo disperso durante o XIX e começo do XX. Bananeiras e outra plantas exóticas atestam a presença modificadora do homem non meio. No século XX a pressão sobre a mata foi principalmente feita pelos carvoeiros que produziam carvão à lenha, base do abastecimento dos fogões das casas cariocas da priemira metade do XX, quando ainda não havia a proliferação dos fogões a gás.

Os vestígios deixados pelo homem na floresta são visíveis durante a caminhada, ainda mais se o passeio for acompanhado da excelente leitura do livro As Marcas do Homem na Floresta, organizado por  Rogério Ribeiro de Oliveira, disponível em pdf: http://www.editora.vrc.puc-rio.br/docs/ebook_marcas_homem_na_floresta.pdf

 

Mais informações sobre o Pedra Branca encontram-se no guia de parques: http://www.inea.rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/zwew/mdi2/~edisp/inea0026328.pdf

E nas páginas do inea e da associação de amigos: http://www.parquepedrabranca.com/p/nucleo-camorim.html

Quem ainda não conhece, precisa de conhecer.

Boia visita

2014-10-25 12.14.21

2014-10-25 12.14.26

2014-10-25 12.21.302014-10-25 13.21.192014-10-25 13.29.03

Deixe um comentário

Arquivado em ecoturismo, História e meio ambiente, Parques

PETROBRÁS: POLUIÇÃO E MORTE DE PESCADORES NA BAÍA DE GUANABARA

Mataram mais dois pescadores da AHOMAR (grupo da Baía de Guanabara que esteve presente no Seminário sobre Racismo Ambiental na RIO+20). Informações sobre o coletivo no link abaixo. Segue a denúncia recebida por uma ativista local, a Inny.

Durante a Rio + 20 foi feita uma visita guiada à associação de pescadores em Magé junto a ambientalistas estrangeiros.  O toxi-tour acompanhado de uma delegação de visitantes internacionais foi alvo de criticas dos políticos locais e recebeu a atenção a contragosto do secretário de meio ambiente de Magé, que tentou disputar a atenção da mídia e da população. Há muita gente lutando na região. Não são somente pescadores. A Petrobras está acabando com a vida de moradores pobres que vivem da pesca e que estão bravamente resistindo. Não se esqueçam que esta região foi a mais castigada com o colossal derramamento de óleo dessa empresa de produção de sujeira que faz greenwashing e se diz sustentável. Trata-se de gente muito pobre, em um local que foi considerado o mais pobre do Rio de Janeiro, com poucos meios de defesa através dos instrumentos locais. São as vítimas do que chamamos de racismo ambiental, pois a política capitalista de desenvolvimento sustentável visa destruir todas as comunidades tradicionais que vivem da extração não predatória dos recursos naturais, geralmente populações de negros, mestiços ou brancos pobres. Eles estão matando esta gente, um a um. O toxi-tour foi realizado com a companhia dos PMs que faziam a escolta do pescador Alexandre Anderson. Porém trata-se, nós sabemos, de uma polícia corrompida, que trabalha ao estilo dos velhos jagunços para novos coronéis da insustentabilidade, portanto uma policia em quem não se pode confiar. Eles esperaram terminar a RIO+20 para matar mais dois pescadores. Este é o recado para os ativistas e para todos aqueles que resistem ao avanço do capitalismo poluidor e predatório. Estava claro que eles não iriam aceitar visitas de observadores estrangeiros assim sem dar uma resposta amarga aos elos mais fracos da população.

Página sobre racismo ambiental: http://racismoambiental.net.br/2012/06/rj-grupo-homens-do-mar-da-baia-de-guanabara-um-pescador-assassinado-e-outro-desaparecido/

Foi Alexandre Anderson, incansável lutador, que repassou as notícias revoltantes, no final da noite de ontem, domingo. Na primeira, informava que dois pescadores e lideranças do Grupo Homens do Mar estavam desaparecidos desde a noite de sexta-feira, quando haviam saído para pescar:  Almir, fundador e liderança local da AHOMAR, e Pituca, também um dos fundadores, líder e único articulador da resistência na Ilha de Paquetá. Alexandre Anderson escrevia ainda que estava indo para a praia, “organizar as buscas da noite”, e que faria novos contatos. O novo contato chegou pouco tempo depois, e nele Alexandre soltava sua revolta: Almir havia sido encontrado morto, com as mãos amarradas nas costas e marcas claras de execução. Não poderia haver dúvida quanto ao assassinato. Pituca continuava desaparecido.

Com as notícias, a mensagem desesperada: “Nos ajude! Estão matando nossos amigos! Nosso sonho! O pior é que não tem polícia em Mauá, onde moro!” Alexandre Anderson faz parte, a duras penas, do Programa de Defensores dos Direitos Humanos, depois de muitas ameaças e alguns atentados. Mal ou bem, Almir e (provavelmente) Pituca não tiveram essa “sorte”.

Nossa solidariedade para as famílias e amigos de Almir e Pituca. Que ele, pelo menos, apareça vivo, é o que desejamos. Mas é inadmissível que essa situação continue! É urgente que se faça Justiça!”

1 comentário

Arquivado em Baia de Guanabara, Petrobras, poluiçao ambiental, Racismo ambiental

Chamado a Cúpula dos Povos

Chamada do companheiro João Correia da Comissão Pró-Universidade Popular para participar diretamente sem burcracias na cupula dos Povos, evento paralelo a Rio + 20.
Está para ocorrer no Brasil-Rio de Janeiro-RJ, a Rio+20, que reunirá governantes de todo o planeta. Paralelo a este evento de governantes e capitalistas vai ocorrer a Cúpula dos Povos, movimento que aglutina, tanto organizações e indivíduos de esquerda, como de direita, também ongs e sindicatos, povos tradicionais de terreiro, quiombolas, idígenas de várias nações, porras loucas…
Estamos sentados num barril de hidrogênio, a rede está sendo instalada e os fios estão sendo conectados. Túnisia, Marrocos, Túrquia, Grécia, Portugal, Espanha, Itália, México, França, Polônia, Inglaterra, Estados Unidos da América, Bolívia, Equador, Chile, Angola, África do Sul, Rússia… A natureza agoniza, o capitalismo mantém sua máquina de consumo 24horas ligada. A carne e o sangue da humanidade trabalhadora, desempregados, idosos, crianças, negros e índios lubrificam as engrenagens fascistas de estados e corporações.
Não nos enganam com migalhas e com circo, não nos enganam com religiões e televisão. Constatamos com a Primavera Árabe, com as Ocupações ao redor do mundo, e sobretudo en la acampaDelSol en la ciudad de Madri, onde os agrupamentos anarcosindicalistas somaram às suas formas de luta e ação direta às Ocupações em dezenas de cidades da Espanha. Marcham juntas CNT e CGT contra o governo e as coorporações.

Por conta do levante popular nos lugares citados, onde nós anarquistas tornamos mais nítidas as formas de exploração e assassínio do sistema capitalista, estamos sendo perseguidos novamente, em vários países, alguns de governo a esquerda, em especial os comunistas, se associam a fascistas, como na Grécia, e nos caçam para impedir o levante revolucionário.

Estou no Rio de Janeiro e agora, como esperavamos/trabalhavamos, chega mais um momento para mandarmos o recado de solidariedade aos nossos companheiros perseguidos pelo mundo, e iniciarmos os exercícios da ginástica revolucinonária. Debelar a cortina de fumaça baseada na política de pão e circo realizada no Brasil e em toda a América é um passo, ações diretas comprometidas com as lutas travadas no território nacional, enlaces com as lutas dos companheiros vizinhos.
Na noite de 17 de maio deste ano reuniu-se um pequeno agrupamento articulador da OcupaRio em 2011, dentre os quais, alguns anarquistas, libertários, outros da esquerda teórica tradicional. Neste encontro se decidiu então realizar a tomada de praças em comunhão com vários movimentos de todo o planeta, ao longo desta ocupação/acampada será feito streaming/gravações de depoimentos/transmissão de rádio e cobertura de ações diretas. As ações feitas por nós, se darão em acordo, como sempre, quando nos encontrarmos.
Em fim, vamos promover a Acampada no maio Brasileiro para exercitar mais uma vez a potência revolucionária que está contida em todos e precisa ser liberada com toda sua força destruidora e criativa. Convite feito, chamado gritado, conclamamos todos às ruas.
Saudações anarquistas. Abraços fraternos

João

Deixe um comentário

Arquivado em Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo, Ecologia Social

Cubatão é limpeza!!!!

Depois de um longo tempo, voltamos!!! Essas imagens foram tiradas recentemente no Rio Casqueiro em Cubatão.

A turma do CONTRA voltou. Mas vejam as imagens abaixo e nos digam, dá para ser a FAVOR?

Descansando a beira do Casqueiro

A sala de estar do Casqueiro

De acordo com a legislacao de descarte de pneus

reciclando o Capital

Retirando o lixo das ruas

Mare baixa, na alta nao da pra ver

Mas vamos ficar por aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Cubatao, Fauna nos manguezais, poluiçao ambiental

II MANIFESTO EKOLÓGICO-KULTURAL

        O 2o. Manifesto eKológico-Kultural será realizado no dia 13 de agosto – sábado -, a partir
das 17:00 horas, no Sindicato dos Metalúrgicos de Santos, av. Ana Costa, 55. O objetivo
deste evento é reunir num mesmo espaço as diversas manifestações ecológicas, com
arte e cultura, através de bandas musicais com temática ecológica e social, stands de
ONGs, estudantes, artesãos, indígenas e os mais diversos coletivos.

       Neste evento arrecada-se alimentos não perecíveis para aldeias guaranis da região, e
estarão presentes famílias guaranis vendendo e mostrando seus artesanatos. Haverá
também duas atividades paralelas, que é a da Pégasus do palhaço televisivo Mutreta com
seu espetáculo Ben 10 para as crianças – com uma cena ecológica – e a exibição do filme
“A Floresta das Esmeraldas”, do diretor John Boorman, com atores brasileiros e
internacionais, e que é uma verdadeira denúncia da destruição da floresta amazônica já há
tempos atrás e onde a luta indígena com seus aliados consegue deter a construção de
uma represa… O filme é baseado em fatos verídicos, e vem a coincidir com a atual luta
contra a represa de Belo Monte no Amazonas e que está gerando fortes protestos
nacionais e internacionais. O filme possui também um tremendo visual e autênticas cenas
de xamanismo ou pajelança. Esta atividade é co-organizada com o importante blog e
associação CineZen, e contará com seu principal diretor – André Azenha – como
comentarista, além do antropólogo e historiador Giulius Cesari, do CAVE.

     O evento contará ainda com a participação das bandas Casa de Ervas, Os Pícaros,
Chiapas Livre, Pau a Pique (música caiçara), Om Mar (reggae) e violeiros. Haverá Radio-
Atividade ao vivo com a participação da Rádio da Juventude de São Vicente (comunitária)
e a Rádio Ervas (virtual).

     A proposta do evento é feita pela Verde-América, pelo CAVE, juntamente com coletivos
culturais, Centro de Estudantes de Santos, Rádio da Juventude, Sindicatos dos
Metalúrgicos, SindServ, Bancários e outros. O caráter e a essência do Manifesto é
inspirado nas vertentes eco-socialista, ecologia social e ecologia profunda.

     O objetivo é divulgar as lutas ecológicas e ir paulatinamente organizando a sociedade
para a vitória da luta da Vida contra a Morte, e insiste na urgência do crescimento da
RESISTÊNCIA ECOLÓGICA E SOCIAL contra os graves ataques que estão sendo
dirigidos ao Meio Ambiente e à vida em geral, a saber: o novo e desastroso Código
Florestal; o absurdo da represa de Belo Monte no Amazonas; o genocídio dos índios
guarani-kaiowás no Mato Grosso do Sul, o impiedoso desmatamento do Amazonas, da
Mata Atlântica e do Cerrado, a intenção governamental de construir mais usinas nucleares,
mesmo depois do desastre de Fukushima; a permissividade dos transgênicos e agrotóxicos
na agricultura e pecuária brasileira; a destruição de manguezais, poluição da exágua
potável e das praias; e a desmedida especulação das construtoras e gritante
verticalização urbana.

Deixe um comentário

Arquivado em Anarquismo, Autonomismo, Baixada Santista, Ecologia Social, Indigenas, Politica

Manifestação Pública – Xingu Vivo

Manifesto Público – Xingu Vivo

Todos estão convidados a fazer o seu papel em defesa da vida na região do XINGU.

Estamos convocado a todos para comparecer a uma manifestação de protesto que o Cadeia promoverá.

Esta Manifestação Pública de Protesto é inteiramente desvinculada de aspectos político-partidários, constituindo-se num movimento de protesto de cidadãos brasileiros, em solidariedade aos povos atingidos pela mega construção de Belo Monte, cheia de irregularidades e violações aos direitos humanos, com prejuízo irreparável aos animais e à flora da região afetada.

A convocação foi feita inicialmente através do seguinte link do Facebook:
http://www.facebook.com/event.php?eid=248199255191179

Rio de Janeiro/RJ
Dia 31/07 – Domingo
Local: Em frente ao Hotel Copacabana Palace, Praia de Copacabana, no RJ.
Horário: 14 horas

São Paulo/SP
Neste mesmo dia e horário
acontecerá em Manifestação com objetivo idêntico em São Paulo, Capital.
Local: Vão do Masp, Avenida Paulista
Horário: 14:00 às 18:30 hs

Deixe um comentário

Arquivado em anti-globalizacao, cooperativismo, Ecologia Social, Indigenas, Politica

Cubatão: estância climática para curar doenças respiratórias!!!

Cubatão é uma estância climática para curar doenças respiratórias?

 “Observem o verde na paisagem. Respirem o ar puro, a plenos pulmões, e anotem mais esse inesperado argumento de vendas. Conheçam as oportunidades únicas na Baixada que Cubatão oferece aos bons empreendedores”.

Essas palavras são da prefeita de Cubatão, Marcia Rosa (PT), pronunciadas no início de junho durante um discurso em Barcelona, na Espanha, quando ela tentava vender a “imagem” da cidade para empresários europeus investirem no município.

Em Cubatão, como nos médios e grandes centros urbanos dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, é praticamente impossível escapar dos poluentes, do trânsito carregado quase todos os dias nas estradas que cortam a cidade, das micropartículas liberadas pela queima dos combustíveis (principalmente do óleo diesel com alta concentração de enxofre), das substâncias químicas despejadas no ar pelas indústrias e atividades portuárias, entre outras fontes poluidoras.

Na Baixada Santista é muito raro não termos um parente ou conhecido que não sofre de patologias respiratórias, que resultam da poluição do ar. E na maioria das vezes quem paga o preço da má qualidade do ar são as crianças e idosos. Inclusive com a morte.

Estudos da USP (Universidade de São Paulo), estimam que a poluição do ar na região metropolitana de São Paulo provoque a morte prematura de 3.000 pessoas por ano. Alguém duvida que o mesmo não aconteça na Baixada Santista?

A prefeita de Cubatão, assim como outros políticos e grandes empresários, ainda não entendeu e percebeu que o município está saturado de indústrias pesadas, de grandes empreendimentos. Que a cidade tem que ser feita para os seres humanos, e não para as indústrias, que continuam “roubando” espaços vitais das pessoas e dos animais.

No dia 13 de julho, “A Tribuna On-line” divulgou um texto sob o título “Nível da poluição do ar em Cubatão é péssimo, segundo Respirômetro”, http://www.atribuna.com.br/noticias.asp?idnoticia=103583&idDepartamento=5&idCategoria=5).

Que a qualidade do ar na cidade não é dos melhores não é nenhuma novidade, somente a prefeita, seus assessores e os empresários que não moram em Cubatão dizem o contrário. Nos dias mais crônicos, secos, é possível sentir a poeira no rosto e perceber as fuligens nos carros, nas folhas e outras superfícies. E se isso não bastasse, ainda tem o cheiro de produtos químicos que exalam das indústrias.

O “curioso” é que o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) da cidade costuma afirmar que 99% das fontes poluidoras estão atualmente “sob controle”. A prefeita de Cubatão, Marcia Rosa (PT), também com freqüência cita esta porcentagem. Ora, se quase 100% das fontes poluidoras estão “sob controle”, então porque é comum encontrarmos o ar de Cubatão saturado, acima do aceitável?

No dia 21 de julho, o portal da internet da Cetesb (agência ambiental estadual) apontava que o índice de qualidade do ar medido em Cubatão no Centro era “regular” e “inadequada” na Vila Industrial. Um detalhe: sabemos que os índices de medição da conivente Cetesb não são rigorosos como o dos institutos ambientais dos Estados Unidos e Europa.

A CIESP, a CETESB e a Prefeitura deveriam internalizar o passivo ambiental distribuindo máscaras antipoluição para os seres humanos que habitam e visitam Cubatão, a começar pelos futuros doentes de tuberculose catalães em busca da cura na cidade.

Edição de texto original de Moésio Rebouças por Carlo Romani.

Deixe um comentário

Arquivado em Baixada Santista, CETESB, Contaminacao quimica, Cubatao, poluiçao ambiental

Dilma, Raoni e Belo Monte

A presidente Dilma acabou de aprovar a construção de Belo Monte, a barragem que irá devastar uma grande área da Amazônia, destruíndo o Rio Xingú. O cacique Raoni chorou ao prever o futuro do povo caiapó, que será duramente afetado pela represa. Agora suas lágrimas estão inspirando milhões de pessoas a agir para impedir Belo Monte, e nós podemos ajudar a fazer a diferença. Nos dias seguintes ao anúncio, uma crescente onda de protestos varreu o país e ontem o Ministério Público Federal do Pará entrou com a 11a. ação civil criminal contra Belo Monte pelo não cumprimento de medidas prévias exigidas para preparar a região para os impactos sócio-ambientais. A pressão sobre a presidente Dilma está se intensificando e se mais brasileiros agirem, nós podemos ter um impacto importante em conseguir reverter a situação. O governo ainda pode impedir Belo Monte e desenvolver estratégias de energia alternativa sem destruir a Amazônia nem violar os direitos dos povos indígenas e ribeirinhos da região, mas isso só vai acontecer se um número suficiente de brasileiros se manifestarem. Nos próximos dias, vamos apoiar o cacique Raoni telefonando intensamente para a presidenta Dilma pedindo para ela salvar a Amazônia. Veja abaixo o número para o qual ligar e o que dizer. Depois de ligar, veja abaixo o link para compartilhar os detalhes de sua chamada com milhares de brasileiros. Estes são os números de telefone para ligar para a presidente Dilm:

(61) 3411-1225 (61) 3411-1200 (61) 3411-1201

texto repassado pela comunidade Avaaz:  http://www.avaaz.org/po/stand_with_chief_raoni/?vl

Deixe um comentário

Arquivado em anti-globalizacao, Autonomismo, Desenvolvimento sustentavel, Ecologia Social, Indigenas, relacao ser humano / natureza