Arquivo da categoria: Indios Guarani

Um grito Guarani no meio do silencio. Perseguição aos Guarani na Argentina

Un grito guaraní en medio del silencio

Claudia Rafael, Pelota de Trapo (16.05.12)

texto publicado em http://www.fondation-besnard.org/article.php3?id_article=1536

Daniel Solano, con sus ojos rasgados y el barro eterno en la piel espejaba los vericuetos de historias que se entrecruzan una y mil veces. Daniel Solano ya no está. Vivía en Misión Cherenta, en Tartagal. Llevaba en la sangre la pertenencia indisoluble a la etnia guaraní. Todavía se lo extraña en Sportivo Guaraní donde la hinchada viva su nombre y grita su ausencia en la segunda fase de un certamen de la AFA. Es el primer equipo indígena de la historia que llega a esa instancia. Pero él no lo supo.

Daniel buscaba un lugar en el mundo.

Como tantos en los arrabales de esa patria olvidada viajó hasta Choele Choel [Provincia de Río Negro, Patagonia] a ganarse unos cuantos pesos en la cosecha de la manzana. Más de un día y medio en el traqueteo del colectivo desgastado, junto a otros 60 guaraníes como él, con un falso título de turistas para atravesar fronteras y paisajes desérticos y de los otros. A medio camino de esos 2100 kilómetros, los bajaron del micro y les hicieron llenar y firmar un simulacro de contrato en el que se aseguraba que ante el menor “conflicto” con la policía o la justicia, la empresa los echaría sin miramientos.

La historia de Daniel pincela a borbotones la crónica rancia y oscura de este país. Engullidor cruel de sueños velados.

Nació un 2 de noviembre, en 1984. Único varón en una familia de seis hijos. La mamá, Dorila Tercero, murió cuando Daniel tenía apenas 14. Allí, en Misión Cherenta viven unos 3000 guaraníes que deambulan sus días en la ausencia de empleo y de mañana.

El trabajo golondrina suele ser para muchos, la única y tenue esperanza a la que asirse cada año. También para Daniel.

Cuentan que un puntero del lugar suele ser contratado para promover el trabajo en las cosechas. Se trata de hablar por una FM del lugar y difundir las bondades de ese trabajo duro pero de buena paga. El puntero se lleva unos 3000 pesos por esa tarea de captación más el extra por llenar el micro. Y 60 trabajadores cada vez suben a esos colectivos cargados de sueños rotos.

Ya Daniel había viajado el año anterior. El 10 de octubre llegó por última vez a Choele Choel y se hospedaba en gamelas, como todo el resto. Sabía que en esta ocasión debería trabajar en el raleo de la manzana. Ir quitando a mano el exceso de frutas para equilibrar la maduración y mejorar la cosecha.

Cuando el 28 fue a cobrar su primer sueldo, se encontró con que apenas se le pagaban 800 de los 3000 prometidos. Hizo lo que no se debía hacer: reclamar. Hacer oir la voz suele ser un peligro de efectos colectivos y eso no se debe permitir. Daniel tenía lo que pocos tienen: un título secundario de la escuela técnica OEA, de Tartagal. Hay quienes dicen que le ofrecieron entonces el rol de puntero, pero que él no quiso.

El 4 de octubre compró un teléfono celular, le escribió a su novia “te extraño, mi amor” y le pidió que le cargara 10 pesos de crédito. Sus últimas huellas se diluyeron en el boliche Macuba, de Choele Choel, algunas horas más tarde.

Ayer, una patrulla de buzos buscaba su cuerpo con perros rastreadores. La misma búsqueda en los mismos exactos lugares en que fue buscado a poco de su desaparición por policías comandados por uno de los ahora 22 imputados en la causa.

Walberto Solano, el papá de Daniel, lleva 10 días en huelga de hambre en Río Negro. Hace frío para su piel tan salteña y guaraní. Lo internaron en terapia intensiva con signos de hipotermia.

***

“De sol a sol”, suele ser el común denominador para los trabajadores rurales en condiciones de semiesclavitud. Taperas, gamelas, carpas plásticas suelen ser el refugio en las noches para un trabajo dolorosamente duro. Hacinados en camiones, amontonados en colectivos añejos, son llevados desde una tierra de pobrezas hondas hacia los oasis del cultivo en donde las promesas mutan en decepción.

En Río negro las denuncias suelen multiplicarse año tras año como epidemia imparable. Como aquel enero de 2010 en que encontraron a cientos de trabajadores hacinados en un galpón de la misma ciudad en que por octubre de 2011 se hospedaba Daniel Solano. “Les habían ofrecido 81 pesos por día y vivienda. En cambio le daban 30 pesos y un tinglado superpoblado. La mitad de los trabajadores dormía sobre el piso. Si alguien reclamaba, en el predio había policías de la provincia que amenazaban con reprimir”, escribía por entonces Darío Aranda en Página 12.

La cosecha del ajo y la uva, en Cuyo; de la manzana y la fruta fina en el Valle Medio y Alto Valle; de la oliva, en Catamarca y La Rioja; del arándano, en Entre Ríos multiplican esa práctica ancestral de explotación.

Una expoliación sostenida que forja riquezas a fuerza de silencios y complicidades. Pero que perdura en el tiempo con la orden férrea de no sacar los pies del plato. De lo contrario sobrevendrán otras prácticas aleccionadoras.

El ya disuelto y temible grupo antimotines Bora, de la policía rionegrina, trabajaba como guardia privada de la empresa Expofrut Univeg SA en sus instalaciones frutículas de Lamarque. Una firma que sostiene el eslogan de “estricto cumplimiento de estándares de calidad y buenas prácticas” mientras mantiene en la semiesclavitud a miles y miles de trabajadores golondrina.

Daniel Solano ya no está. Desapareció aquella madrugada del 5 de noviembre a poco de haber levantado su voz contra la contratista Agro Cosecha que lo llevó a trabajar para Expofrut. Hay 22 policías imputados por presunto encubrimiento, empresarios sospechados, dirigentes políticos y gremiales que callaron o asintieron.

“La cadena de complicidades incluye a los empresarios, intermediarios, sindicatos y Estado”, afirma Guillermo Neiman, investigador agrario de la Flacso, cuando analiza la estructura íntima de la explotación rural. Hay indudablemente un entramado profundo que desnuda la médula del trabajo golondrina.

Una cadena que sigue acoplando engranajes y aceitando sus eslabones en cada nuevo micro cargado de trabajadores extorsionados en la sumisión, a sabiendas de que una larga fila de desarrapados los podrá reemplazar ante el menor gritito tenue en medio del silencio.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Anarquismo, Indigenas, Indios Guarani

Urgente: Povo Guarani Kaiowa de Ypo’i precisa de nossa ajuda!

O Povo Guarani Kaiowá, na região do rio Ypo’í, município de Paranhos, no Mato Grosso do Sul, pode ser despejado a qualquer momento, com toda força e aparato policial.

ESCREVAM À JUÍZA ELIANA BORGES DE MELLO MARCELO PEDINDO QUE:

* Garanta a permanência dos indígenas Guarani Kaiowá do Ypo’í na área, a segurança da comunidade, além do acesso à comida, água, cuidados de saúde e que eles possam se deslocar livremente.

* Garanta o cumprimento pleno das obrigações das autoridades brasileiras sob a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas e a Constituição Brasileira, finalizando a demarcação de todas as terras indígenas.

Email da juiza: emarcelo@trf3.jus.br

Tel. Fax: (011) 3012-1373

O Povo Guarani Kaiowá foi expulso de seu território tradicional no Mato Grosso do Sul há décadas. Na região do rio Ypo’í, no município de Paranhos, fronteira com o Paraguai, a comunidade Kaiowá foi expulsa pela ação de fazendeiros daquela região há 27 anos. Desde então, lutam incessantemente pela reconquista do espaço usurpado. Em novembro de 2009, a comunidade Kaiowá do Ypo’í retornou ao seu “tekohá” (terra tradicional, que é sagrada). Três dias depois, foram violenta e covardemente atacados por fazendeiros e seus pistoleiros. Na ocasião, vários indígenas foram feridos a tiros e torturados. Dois professores, Genivaldo Vera e Rolindo Vera, foram levados e assassinados. O corpo de Genivaldo foi encontrado alguns dias depois com muitas marcas e ferimentos. O corpo de Rolindo, no entanto, ainda não foi localizado. Em agosto de 2010, os Guarani voltaram a este “tekohá”, no intuito de encontrarem o corpo de Rolindo – busca abandonada tanto pela Polícia Federal como pelo governo do estado. desde então, tem sido vítima de ataques e vive cercada por pistoleiros fortemente armados, que impedem o acesso da comunidade a comida e à assistência à saúde por parte dos órgãos públicos competentes – Funai e Funasa. Trata-se de uma centena de pessoas mantidas numa espécie de “cativeiro privado”, ao mesmo tempo em que a Funai está realizando estudos de identificação destas terras, cumprindo sua função constitucional.

Esta situação ficou mais complicada após a decisão judicial (liminar) proferida pela Juíza Federal Lisa Taubenblatt, da 1º Vara Federal de Ponta Porã – MS, no dia 20 de outubro, que determinou a desocupação da área pelo referido povo indígena. Agravando a situação, no último dia 10, o Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª. Região negou provimento ao recurso (agravo de instrumento) apresentado na tentativa de derrubar a decisão de primeira instância, confirmando, portanto, a decisão de retirada dos indígenas da área.

A Funai ingressou com pedido de reconsideração junto à Juíza Convocada Eliana Marcelo, relatora do recurso (agravo de instrumento) no TRF da 3ª Região. Este novo recurso está sendo analisado pela Juíza Eliana – que está substituindo o Desembargador Nelton dos Santos – que pode decidir a respeito a qualquer hora.

Fonte: Cimi SP (Conselho Indigenista Missionario)

1 comentário

Arquivado em Indigenas, Indios Guarani

Índios Guarani de São Vicente na Virada Caiçara

Domingo passado dia 7/11 houve a apresentação dos índios Guarani da aldeia Paranapuã (dentro do Parque Xixová-Japuí que consideram sua morada) de São Vicente no evento da Virada Cultural Caiçara organizado pelo município. No palco montado no calçadão da praia em frente à biquinha, os jovens Guarani fizeram sua apresentação musical com a dança Nhamandu Mirim ao som do violão, da rabeca e dos tambores. Depois as crianças desceram do palco e deram continuidade às suas brincadeiras dançando e jogando livremente.

O mundo dos Guarani é um mundo lúdico, minimalista, organizado numa forma de vida que se contenta com pouco, no sentido de que a vida dos Guarani precisa de pouca materialidade para ser bem vivida. Algo muito difícil para nós ocidentais entendermos, acostumados que estamos com uma enormidade de estímulos que nos impomos continuamente. Como se essa fonte inesgotável de desejos artificiais que inventamos para consumir todo nosso insaciável fogo interior pudesse nos suprir as ausências, sublimar os recalques, nos tirar das neuroses, nos curar da insanidade que nos domina e alucina. Tamanha diferença entre as duas civilizações tornou o convívio incompatível. “Os índios são preguiçosos, vagabundos, dormem, bebem, não querem saber de nada” – é isso que foi dito e repetido durante séculos de matança e genocídio desse outro que nos incomoda. E nos incomoda porque ao querer muito pouco, somente o que lhe basta, o pouco que lhe é suficiente, ele encontra-se em liberdade. Ele é livre, e por isso não morre, ressuscita, renasce, resiste de dentro do Parque de onde querem tirá-lo. O índio não é prisioneiro de sua ânsia. É isso que nos incomoda: a liberdade que tanto almejamos, mas nunca teremos!

1 comentário

Arquivado em Baixada Santista, Indigenas, Indios Guarani, relacao ser humano / natureza

Reação capitalista contra as conquistas indígenas e ambientais

Carta aberta `a população da Baixada Santista

Estamos inciando aqui na Baixada Santista um debate sobre a reação estatal e capitalista que esta sendo dirigida contra as conquistas dos povos indígenas e demais comunidades tradicionais, obtidas desde a Constituição de 1988. O que se percebe atualmente é que após um breve período que vai de 1988 (a partir de quando se torna politicamente correta a questão do meio ambiente, dos índios e das comunidades tradicionais) em que as populações tradicionais e a preservação ambiental ganharam considerável espaço na agenda nacional, com a demarcação de terras indígenas e de quilombolas e o avanço da legislação ambientalista, neste início de século XXI assistimos a um grave retrocesso nessas políticas públicas. A votação do novo e devastador Código Florestal na Câmara este ano, a corrupção que envolve o IBAMA, os ataques sistemáticos às reservas indígenas, por exemplo, dentro do Parque Nacional do Xingú, ou os ataques de fazendeiros à população Kaiowaa literalmente morrendo à beira da estrada em Dourados no Mato Grosso do Sul, a destruição da FUNAI que vem sendo denunciada pelo acampamento dos povos indígenas em Brasília, o avanço dramático do desmatamento sobre as últimas áreas remanescentes de cerrado e a invasao de  madeireiras e pecuaristas dentro da Amazônia, a política energética do governo federal para quem “não serão alguns bagrezinhos e indiozinhos que irão impedir o pogreso (sic) da nação”, são somente o início de uma retomada do crescimento capitalista a qualquer preço, exterminando as últimas áreas comuns da natureza e as populações que se negam a entrar como novos favelados dentro do sistema. Aqui na Baixada Santista isto também está ocorrendo com a expansão portuária (Embraport, Barnabé-Bagres, Alemoa, Largo Santa Rita, retro-porto em Guarujá), e industrial (expansão do pólo em Cubatão), destruindo as últimas áreas de manguezais e restinga existentes, e com o avanço da especulação imobiliária sobre as últimas praias ainda preservadas (vejam o caso de Itaguaré em Bertioga) ante a prostracao dos orgaos fiscalizadores do IBAMA e da CETESB. Também a população indígena local, os Guaranis, tanto na aldeia Rio Branco em Itanhaém (ameaçada pela mineração) como no aldeamento de Paranapua, no Xixova-Japuí (com risco de retirada) sofrem com essa jurassica reação conservadora e troglodita contra o direito à vida (humana e a natureza como um todo), aprofundando a politica de exterminio de uma tipo de modernidade caduco e ultrapassado. Tudo isto pautado numa forma de desenvolvimento que é insustentável, pois continua baseando-se exclusivamente no crescimento econômico sem se preocupar com a manutencao nem a qualidade da vida.

Deixe um comentário

Arquivado em anti-globalizacao, Baixada Santista, Indigenas, Indios Guarani, Parques, relacao ser humano / natureza

SALVE NAÇÃO CAIÇARA!

Ola amigos e amigas do CAVE. O evento JUNGLE DUB 3 contribuirá para a campanha de arrecadação de alimentos para os índios GUARANI

Convidamos todos a participarem neste domingo, 26 de setembro, das 16 às 23 horas, da festa organizada pela FUTURÁFRICA, na Rua General Câmara 236, Centro – Santos.

Entrada: 5 Reais + 1 quilo de alimento não perecível

A FUTURÁFRICA Produções segue com o propósito, cada vez maior, de trazer à Santos tudo o que rola no universo da música negra, seja através do Rap underground, AfroBeat, Samba de Raiz, Reggae, Dub, Maracatu, Funk Soul e de todas as outras vertentes musicais que saíram da mãe África e se espalharam pelos quatro cantos do planeta.

E dentro desse universo no qual mergulhamos de corpo e alma, no próximo domingo, realizaremos a festa JUNGLE DUB 3 no centro de Santos. Nesta edição da FUTURÁFRICA, serão utilizados os elementos de uma verdadeira festa jamaicana, com ferramentas do sound system (rimas feitas sobre a discotecagem) para celebrar a Música, a Arte e o Amor .

Muito Dub, Dancehall, Reggae, Rub a Dub com os djs da FUTURÁFRICA e a convidada especial Sistah Ceci (SP). E para completar, desta vez, a atração principal será BUGUINHA DUB (PE – Nação Zumbi) + NEGUEDMUNDO (RN), que realizará um show baseado no seu cd “VITROLA ADUBADA “. Pra conhecer o som deles acesse:

www.myspace.com/buguinhadub

www.myspace.com/neguedmundo

Deixe um comentário

Arquivado em Baixada Santista, Black music, Indios Guarani

Arrecadacao de alimentos para os Indios GUARANI

11 de setembro o capitalismo mata (mas a nação Guarani continua viva)

Ola gente, companheiros e companheiras, atualizamos o convite ja feito no dia 03/09 passado:

Pedimos a colaboracao de todos trazendo ALIMENTOS NAO PERECIVEIS.

Estamos organizando uma COLETA DE ALIMENTOS para serem entregues para os indios da Aldeia GUARANI de Paranapua em Sao Vicente.

Contamos com todos. Leiam a programacao do evento no link a seguir:

https://coletivocave.wordpress.com/2010/09/03/o-capitalismo-mata/

Participem de mais essa atividade organizada pelo CAVE – Videos, debate, e discotecagem (11 de setembro, a partir das 17 horas)

na Casa de Familia, Rua Julio Conceicao, 241, Vila Mathias – Santos fone (13) 33261455

P.S. E também é o aniversário da MARCELA da Casa, então: VENHAM!!!!

1 comentário

Arquivado em anti-globalizacao, Baixada Santista, Indios Guarani, relacao ser humano / natureza

IWURAPITA!!! A naçao Guarani resiste.

As comunidades tradicionais têm como base de organização uma estreita relação com o ambiente. Esta relação é não predatória, baseada principalmente na sustentabilidade (no sentido mais profundo desta palavra); ou seja, as relações sócio-culturais, ou mesmo a sobrevivência física do grupo, depende de sua capacidade de se relacionar equilibradamente com o ambiente, deste retirar o que é necessário e ao mesmo tempo preservar o seu território.

A nossa sociedade não possui uma visão, um parâmetro, do que é o mundo indígena, pois o nosso paradigma de existência é mediado apenas pela idéia de lucro, o qual vem gerando uma profunda crise ecológica mundial. Nossos modelos de produção se baseiam principalmente numa forma de exploração, visando o interesse do mercado; isto é, um único produto explorado até a exaustão e em um determinado território (monoculturas, lavra de minérios, etc), favorecendo uma forma de vida individualista e consumista.

Em contraposição, a produção tradicional sempre visará a sobrevivência do grupo e a preservação de sua área. Pois utilizará um território maior, onde vários produtos serão utilizados de forma sazonal e em rodízio, por exemplo: um determinado território fornecerá a caça, o outro a horticultura, o outro ainda a coleta, nunca até a exaustão, pois há uma grande preocupação nesta visão de mundo indígena, no equilíbrio de todas as partes do território e da relação deste com a comunidade, temos então um método coerente na utilização dos recursos naturais, baseado num conhecimento milenar da observação dos fenômenos naturais e, portanto, científico.

Os Guaranis compõe uma etnia indígena, que por muito tempo ocupou uma vasta área da mata Atlântica, e, é parte de sua vivência cultural a perambulação e a reciprocidade, ou seja, em suas caminhadas os Guaranis vivenciam sua relação sócio-cultural e de sobrevivência, em uma troca igualitária com o seu território. É exatamente esta perambulação, que permite a preservação das áreas em que estes se encontram. Caminhando os guaranis plantam, caçam, pescam e protegem o seu território, é por isto mesmo, e não por nenhuma coincidência, que este povo se encontra nas últimas áreas preservadas da Mata Atlântica. Onde há populações tradicionais, há maior chance de haver Mata preservada, a não ser que os “civilizados” interfiram.

Após 500 anos de contato e de massacre desta população e ainda, de uma destruição sem precedentes da Mata Atlântica, este povo viu seu espaço cada vez ser mais reduzido. Atualmente pouquíssimos aldeamentos possuem uma área possível de perambulação. O aldeamento do Rio Branco é um destes.

A preservação da área do Rio Branco e de seu entorno é, portanto, imprescindível para a sobrevivência da população Guarani e daquele território da Mata Atlântica.

Faz-se, também, necessária uma ampliação da área demarcada da reserva, garantindo assim, aos guaranis um aumento de seu território e a preservação de seus valores sócio-culturais.

Vendo pegadas de capivara em uma das margens já quase sem cascalho, o cacique Alcides não se surpreende:

“Mesmo com toda essa devastação, ela ainda vem beber aqui. Todo mundo depende do rio – nós, a mata e os bichos-, assim como o rio depende de todos. Preservamos isso aqui pensando na reserva inteira, e mais ainda, nas outras aldeias e nas cidades cuja vida é abastecida pelo rio Branco e pela mata em torno dele”

O cacique Alcides nos faz refletir: ‘até que ponto nós estamos também preocupados com as conseqüências ambientais de tais atos’, pois não é apenas a população guarani que será atingida, como está comprovado pela ciência e pelo bom senso, os danos ambientais atingem a todos nós, direta ou indiretamente.

Giulius Césari Gomes Aprígio (Historiador / Etnólogo)

Vera Lúcia Pontes de Oliveira (Historiadora / Etnóloga)

A seguir um video sobre a Aldeia Guarani do Rio Branco em Itanhaem, com a FALA SAGRADA do cacique Alcides:

Deixe um comentário

Arquivado em Baixada Santista, Indios Guarani, relacao ser humano / natureza