Arquivo do mês: dezembro 2010

Sustentabilidade: a escolha libertária V

Mais uma série de ações e medidas para reverter a degradação ambiental planetária e promover uma real sustentabilidade. Mostramos as falsas bases em que se construiu o discurso ambiental atual e a gestão ambiental corporativa.

Luxo

A sociedade de consumo induz à aquisição de mercadorias inúteis e cujos efeitos negativos no meio ambiente são gravíssimos e desnecessários. O luxo é um agravante a esta já insustentável condição. O luxo é vulgar porque é inútil. O luxo pé vulgar porque traz efeitos ambientais negativos que degradam os ecossistemas e trazem danos à saúde das pessoas. O luxo é vulgar porque demonstra, com a ignorância de quem o prático, como o mercado consegue extrair lucro de qualquer um: se os ricos não tivesse o luxo como fariam para gastar seu dinheiro?

Mercado

O mercado dos pequenos produtores, dos artesãos, das capacidades técnicas locais é bem vindo. O custo reduzido dos produtos industrializados pode ter um preço altíssimo em termos sociais e ambientais. O mercado analisa quanto que os indivíduos podem gastar desde seu nascimento e cria produtos vendáveis para todas as demandas da vida, desde os indispensáveis e necessários até as mercadorias inúteis, hiperdimensionadas e supérfluas. As corporações globais tem compreendido que talvez nunca consigam vender um automóvel ou um eletrodoméstico a todos os habitantes do planeta e portanto, trabalham para comercializar bens primários (água,grãos, etc.) ampliando assim os mercados dos produtos e dos processos industrializados e monopolísticos também sobre os mais pobres. Procurar ficar o quanto possível longe desse mercado.

Mobilidade

É um dos setores que mais contribui para as alterações climáticas do planeta e prejudica a saúde dos cidadãos. A mobilidade apresentada como sendo um elemento fundamental da liberdade individual é, ao contrário, a maior limitadora dela. O crescimento da mobilidade leva a uma configuração de assentamentos populacionais de baixa densidade e ao aumento da distância entre os lugares de residência , de trabalha, de passeio. A “liberdade” torna-se um dever: não é possível usar os serviços e os equipamentos sem se mover. Somos obrigados a nos mover. Começar a mover-se menos quando tivermos o poder da escolha (nas horas vagas), a mover-se menos para o trabalho (reduzindo os deslocamentos, otimizando os empregos), e procurar soluções de moradia coligadas às relações pessoais e o trabalho.

Meio Ambiente (natureza e sociedade)

As condições do meio ambiente estão diretamente ligadas à organização social da comunidade do entorno. As comunidades de coletores e de caçadores tem uma relação muito leve com os ecossistemas, não levam a produtividade ao colapso, mantem reduzidos o número da população, não acumulam. Uma sociedade que exalta a propriedade privada ou estatal dificilmente conseguirá garantir o uso comum dos bens e uma relação de não exploração dos ecossistemas. Uma sociedade global mercantil, autoritária, artificial, alienada como aquela definida pelo modelo econômico atualmente praticado, tem o acinte através de seus intelectuais de afirmar que a natureza é uma invenção social, valorizando-a como paisagem, domesticando-o como jardim, mas tornando-o em qualquer lugar dependendo da ação humana e valorizada somente se capaz de gerar lucro.

Normas

Nem sempre as normas ajudam a reduzir o impacto ambiental do ser humano. Ao contrário, frequentemente motivado pelas lógicas da produção definem comportamentos que são absolutamente contrários aos objetivos da qualidade ambiental. Fazem anos que se trabalha para reduzir a embalagens e contudo existem sérias normas sanitárias que obrigam os estabelecimentos a usarem embalagens descartáveis, ou, nos supermercados, previamente embalados. É essa normatização que facilita a difusão dos produtos descartáveis não penalizando-os pelos custos sociais e ambientais do descarte; é essa normatização que agilizam a industrialização definindo procedimentos para o controle de qualidade e modos de fabricação impraticáveis para os pequenos produtores e artesãos; é essa normatização que define os financiamentos para cultivos agrícolas estranhos ao meio (a soja), que regula o fornecimento de combustíveis para os veículos particulares, etc. As normas na sociedade de consumo não são criadas pelos cidadãos, nem pelos seus “representantes”, mas pelos grandes interesses corporativos cujas demandas não são pautadas pela bondade mas pela ampliação do mercado e dos lucros (privatização da água, da energia, do solo). Tenham cuidado com as normas para o meio ambiente.

OVM (Transgênicos)

Criados com a justificativa de responder às necessidades alimentares, respondem na realidade à exigência das grandes corporações produtoras em aumentarem a sua produtividade por hectare e de penetrarem no interior do mercado de sementes que atualmente é um segmento, em grande parte, ainda administrado diretamente pelos pequenos produtores. O aumento da produtividade por hectare, como sabido, não melhora as condições da alimentação do planeta, na medida em que o problema da alimentação está ligado à distribuição da produção (muitos países produzem excedentes que jogam fora), à concorrência (muitos países subsidiam os seus produtores o preço dos alimentos produzidos), à estrutura social no uso dos terrenos e portanto depende da produtividade local (as grandes urbanizações tronam as populações mais dependentes de alimentos externos). Os transgênicos não são úteis, podem ser danosos ao meio ambiente, são nocivos para as comunidades locais e para a biodiversidade natural.

Pesquisa

A maior parte da pesquisa é conduzida por entidades privadas que tem um interesse específico na definição de novas mercadorias. Da medicina até os equipamentos militares (que são os setores que mais empregam fundos de pesquisa) passando pelos cosméticos, aos transportes, à química fina e á construção civil, os sujeitos que têm maior disponibilidade econômica investem em pesquisa, não querendo esclarecer necessidades, mas somente os interesses específicos dos financiadores. Os êxitos da pesquisa não são respostas às exigências da população – mesmo porque a pesquisa se desenvolve segundo os mesmo critérios econômicos que regulam o modelo atual e definem seus limites – mas resultados que respondem ao máximo proveito do mercado promotor. Esta pesquisa é socialmente e ambientalmente útil somente em sua mínima parte. Se a pesquisa é capaz de resolver problemas então ela não pode deixar de considerar que a solução se encontra não em inventar mercadorias, mas em modificar sistemas sociais. A pesquisa qualitativa deve ser ligada aos interesses da sociedade, e em seu benefício, desenvolvendo não somente temas específicos mas trabalhando a interação entre a ciência e as formas como a sociedade vive.

Plásticos

Não existem materiais demonizáveis mas existem materiais cuja utilizarão é muita crítica do ponto de vista ambiental e social e o plástico é um destes. O plástico é derivado do petróleo que é seguramente o recurso cujo controle conduziu ao maior número de conflitos armados no último século; é um recurso em vias de se esgotar, altamente poluidor. É, portanto, um recurso social e ambiental muito negativo. O plástico é difundidíssimo pelas suas características que lhe rendem a produção muito simples, e a sua venda, devido aos custos de produção reduzidíssimos, permite a realização de lucros gigantescos. Abusamos do plástico: na construção civil, na decoração de interiores, nos objetos, nos instrumentos. Aonde se vai tem plástico em um número elevadíssimo de componentes diferentes, com aditivos de todos os tipos, tantos e tantos que nem nos é possível reconhecer o conjunto de substâncias presentes neles. Isso traz um gravíssimo problema na fase de produção (lançamento de resíduos contaminantes, risco de incêndio) e também em sua fase de descarte. O plástico além de tudo permite que grande parte dessa produção seja do tipo use e jogue fora, o que aumenta exponencialmente a quantidade de resíduos recicláveis. Reduzir a presença do plástico, assim como de todos os materiais poluidores, somente para suas funções absolutamente necessárias e indispensáveis leva à libertação de uma submissão, à retomada de soluções técnicas locais, à eliminação de uma grande quantidade de dejetos.

Produtos descartáveis

Uma das maiores aberrações da atualidade. Injustificada e incompreensível. Qual a vantagem que temos individualmente com um produto descartável? A possibilidade de não lavar louça, toalhas? E para os aparelhos de barbear? E para os isqueiros? Simplifica a ação? Mas qual é a dificuldade em recarregar um isqueiro? E que incomodo traz ir ao mercado com a nossa própria sacola? É ao contrário a busca pelo desapego em relação ao objeto e a redução de sua identidade específica que está na base da sociedade de consumo. Todos os objetos devem ser equivalentes de modo a poderem ser jogados fora e recomprados, geralmente o mesmo produto, para aumentar o mercado. O enorme custo em termos ambientais e econômicos do descarte desses materiais não justifica as frágeis vantagens de seu uso. Não usar produtos descartáveis.

População

O número de pessoas sobre a terra está em contínuo aumento. O aumento da população altera as relações com os recursos naturais. Em muitas áreas do planeta os habitantes são em quantidade muito superior às potencialidades dos lugares o que provoca limitações na produtividade alimentar dos territórios aráveis. A densidade aumenta, o espaço individual diminui, os espaços naturais começam a escassear tanto em quantidade como em qualidade, os comportamentos são sempre mais regulamentados, a produção torna-se industrializada. Uma demagogia política incentiva a reprodução sem necessidade, haja vista a quantidade de pessoas já existentes, e altera as relações entre as escolhas individuais, o prazer, o bem estar e a consciência coletiva. Podemos apontar alguns fatores que levaram ao aumento populacional desenfreado: o modelo econômico que quer a ampliação do mercado, as religiões que aumentam seus adeptos, as nações que engrandecem com o número de habitantes. Interesses, dogmas, medos, nada disto está ligado ao bem individual e coletivo.

Poupança

O dinheiro poupado tem um impacto ambiental menor do que aquele gerado pelo acúmulo de mercadorias. Enquanto a economia anterior à sociedade de consumo era baseada na poupança, a atual está empenhando todas as disponibilidades dos indivíduos na aquisição de bens, mesmo que se endividando para o futuro e comprando mercadorias inúteis. As mercadorias por um lado tornaram-se instrumento para extrair riqueza e por outro para acumulá-la: as duas são um desastre para o meio ambiente.

Qualidade/quantidade

Faz tempo que se tende a reduzir a estratégia de sustentabilidade ao aumento da eficiência das ações praticadas. A razão em curso diz que se um automóvel atual polui significativamente menos do que um carro de quarenta anos atrás, as condições do planeta tendem a melhorar. Mas ,um automóvel de quarenta anos atrás andava muito menos quilômetros por ano do que um atual, tinha uma vida muito mais longa (e, portanto, usava ao máximo a energia que lhe foi gasta durante a construção), e fazia parte de um parque automotivo que era uma parcela mínima do atual. O aumento da qualidade das mercadorias é condição necessária mas não suficiente para a solução de nossos problemas. A ela tem que ser aplicada uma significativa redução da quantidade de mercadorias.

Tradução de Carlo Romani.

Leia na íntegra em http://www.anarca-bolo.ch/a-rivista/337/dossier_sostenibilita.htm

Deixe um comentário

Arquivado em Agricultura familiar, Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo, Contaminacao quimica, cooperativismo, Desenvolvimento sustentavel, Ecologia Social, Politica, poluiçao ambiental, relacao ser humano / natureza

Sustentabilidade: a escolha libertária IV

Continuamos nossa série para um mundo verdadeiramente sustentável. Não se preocupe, isso não é para já, mas se quisermos num futuro não tão distante continuar vivendo na Terra sem ter que exterminar alguns bilhões de habitantes (como os tecno-fascistas do poder global já planejam) estas práticas devem ser adotadas. Nos chamam de loucos, utópicos, que queremos voltar a ser índios. Não. As propostas apresentadas são o resultado da mais ampla capacidade humana de convívio ambientalmente harmônico. Por isso junte-se a nós: PARA SALVAR O PLANETA É PRECISO DESTRUIR O CAPITALISMO.

Eficiência (aumento da)

Termo definido em âmbito industrial com base na demanda de parte da sociedade para reduzir os efeitos negativos da produção e em relação à crise do petróleo dos anos setenta e da consequente necessidade de reduzir o consumo de energia. A eficiência prevê que as mercadorias sejam substituídas por outras em um contínuo melhoramento da eficiência (requisitada também pelas regras de qualidade dos produtos). Dessa maneira, “novas” mercadorias substituem “velhas” mercadorias, com a mesma função e com as antigas ainda funcionando. O uso instrumental desse conceito permitiu o aumento de novos segmentos de mercado (as pessoas compram mais vezes o mesmo produto em níveis de eficiência sempre superiores) demandando, porém, uma enorme quantidade de energia e produzindo paralelamente uma enorme quantidade de resíduos e dejetos. Dado que o aumento da eficiência vem qualificado sobre cada unidade de produto, a vantagem da melhor eficiência alcançada com o melhoramento do produto, é absorvido e ultrapassado pela desvantagem do aumento da quantidade de produtos em uso. Não cair na armadilha da pseudo eficiência, nem nos juízos de qualidade sobre as mercadorias nem em sua aquisição; manter as mercadorias pelo tempo mais longo possível verificando sua efetiva funcionalidade em função de suas necessidades. A melhor eficiência é a redução do consumo de mercadorias.

Equilíbrio

A quase totalidade dos assentamentos humanos não está em equilíbrio com o meio ambiente; consomem uma quantidade de energia superior àquela disponível localmente, emitem contaminantes de diferentes tipos e em quantidades superiores à capacidade de recuperação dos ecossistemas. O conjunto dos assentamentos humanos e da atividade planetária consome recursos e produz emissões em quantidades superiores à capacidade de suporte do planeta. A situação encontra-se em total desiquilíbrio tanto localmente quanto globalmente. O futuro dos ecossistemas naturais está comprometido ,mas também o futuro da vida humana que depende da natureza para viver. O risco de colapso aumenta com o tempo e com a manutenção das características do modelo econômico e social praticado e o crescimento exponencial dele. Recolocar em equilíbrio os assentamentos humanos com os recursos utilizados em escala local, conectando os consumos aos recursos naturais realmente disponíveis, diversificando-os em função das características dos lugares e, portanto, de sua produtividade, surge como um elemento indispensável para pensar em um futuro planeta sustentável.

Esgotamento dos solos

Assentamentos agropecuários e infraestruturas agrícolas se expandem ocupando todos os terrenos. As áreas ocupadas perdem suas potencialidades ecológicas, não são biologicamente produtivas. As áreas ocupadas tornam-se desertos dentro de ecossistemas que tem todo outro tipo de capacidades, áreas de difícil recuperação natural, que permanecem desflorestadas no tempo e são diretamente responsáveis pelo aquecimento global. Essa condição agrava-se quando ocorre nos territórios que tenham maior produtividade agrícola. As grandes quantidades de solo.

Especialização dos espaços

Os espaços físicos do planeta são utilizados para a produção de alimentos, sob gestão das grandes corporações de produção e distribuição do agronegócio de modo especializado. Em um lugar se produz soja, no outro trigo. A monocultura destrói as comunidades locais criando um mercado que elas não podem controlar, limitam sua autonomia alimentar, as empobrecem tecnicamente e culturalmente, fazendo com que desapareçam nessa reconfiguração do processo distributivo global. A recusa das áreas especializadas de produção é a garantia da autonomia das comunidades locais. As multiculturas, a manutenção das capacidades técnicas gerais e das produções específicas de cada lugar, não somente ajudam a sociedade, como também conservam a diversidade biológica e a qualidade ambiental.

Fontes renováveis

O uso da energia de fontes renováveis deve ser acompanhado da contínua diminuição das emissões das fontes não renováveis e de uma significativa redução do consumo.

Frear a velocidade

Fazer menos coisas, diminuir a velocidade da vida pode ajudar a aumentar a consciência do que se faz. Provavelmente aumentaria a possibilidade de que os processos decisórios sejam participativos, com certeza reduziria o consumo de recursos e a quantidade de emissões.

Globalização

É um mecanismo inventado e sustentado pelas maiores corporações econômicas para aumentar as trocas, concentrar a produção e a gestão do mercado, e fazer crescer exponencialmente os lucros. A globalização é defendida por intelectuais que, ignorando a condição de desastre em curso, a consideram como o modelo de crescimento cultural e social do planeta. Globalização é o não lugar, onde o indivíduo não tem peso, onde o indivíduo, padronizado, interpreta o papel de máquina, onde a comunidade não existe, onde existe um governo econômico que dita as regras sociais. Não comprar produtos globalizados, não utilizar soluções globalizadas, prestar atenção às capacidades produtivas locais, às características sociais das mercadorias , às comunidades.

Habitar

A cultura contemporânea desestruturou o sentido desta palavra parcelando a atividade que compõem uma jornada: uma zona onde se dorme, uma onde se trabalha, outra onde nos divertimos, etc.: a completude da habitação se perdeu com o desenvolvimento das ações produtivas e comerciais (aquisição e consumo). Os territórios são ignorados, não há ligação com eles, desconhecemos o meio ambiente e as pessoas que nos cercam, nem ao menos aquela consciência simples e eficaz do próprio lugar que tinham as culturas tradicionais. Os lugares são pré-fabricados pelos interesses econômicos (vejam os centros comerciais, os hipermercados, as salas multiuso, etc.) e são padronizados à imagem do comércio da atualidade. Neles os indivíduos tem somente a função de compradores d mercadorias, mas não podem contribuir para sua construção e para o seu uso. Desse modo não moramos mais nos lugares porque não existe mais uma relação com o espaço em que vivemos. Participar ativamente da definição dos espaços construídos, recusar as compras nos centros comerciais, nos hipermercados, recusar a cadeia produtiva que uniformiza a alimentação, a arquitetura dos espaços, o próprio espaço de vida, é a luta a ser empreendida.

Iluminação

O planeta é muito iluminado de modo artificial; a noite desapareceu nas cidades. Reduzir a iluminação, (re)escurecer a noite.

Indústria

Sistema produtivo que precisa de uma profunda revisão ambiental e social. A partir da redefinição da real necessidade das mercadorias, da relação geográfica entre os lugares de produção e de uso, da redução do deslocamento das mercadorias. A indústria é uma modalidade produtiva que não precisamos abandonar, desde que suas finalidades sejam realocadas do domínio econômico para o domínio social e ambiental.

Industrialização

O objetivo da industrialização não é o de produzir mercadorias, mas o de gerar lucros: as mercadorias são excedentes, os processos produtivos poluidores e socialmente desestruturados, a qualidade dos produtos é reduzida, a duração predefinida é limitada. A industrialização é o principal fundamento do mercado global e produz resíduos como se fossem mercadorias. A industrialização da sociedade levou a modelos de organização social da vida que seguem os mesmos critérios estabelecidos pela produção na indústria: divisão por etapas, fraccionamento das contribuições individuais, desconhecimento do processo como um todo, controles de qualidade auto-referenciados e setoriais. Precisamos desindustrializar as nossas mentes e utilizar somente os produtos industriais que sirvam e garantam a qualidade ambiental e social desejadas sem sermos reféns da cultura industrial.

Infraestrutura

Se quisermos aumentar a mobilidade das mercadorias e das pessoas, privilegiando os deslocamentos, não é necessário discutir o aumento da infraestrutura. Dado que não existe um limite estabelecido para a satisfação humana, nem para quão rápido se façam os percursos, nem para a quantidade de deslocamentos feitos, torna-se evidente que, perseguindo este modelo, as infraestruturas nunca serão suficientes. A cada aumento da infraestrutura existente corresponde sempre uma maior dependência delas. Por exemplo, a construção de rodovias facilita o uso de automóveis e portanto leva ao contínuo aumento da mobilidade sobre rodas (particular e de carga), das emissões de poluentes, dos consumos de energia, das alterações no meio ambiente, dos danos à saúde dos cidadãos e favorecerá o parcelamento dos assentamentos humanos e a concentração da produção. A atual mobilidade humana é exagerada e é gerada pela especulação imobiliária (que obriga as pessoas de menor renda a distanciarem-se das cidades já consolidadas) e pelo deslocamento das mercadorias (cuja produção sendo concentrada necessita de ser transportada para os locais onde os monopólios levaram à falência os pequenos produtores locais). Opor-se ao aumento da infraestrutura (em particular àquela rodoviária e aeroportuária, além dos trens de alta velocidade) quer dizer opor-se ao modelo econômico produtivo e de ocupação, limitando seu desenvolvimento.

Inovações tecnológicas

O novo assumiu um valor positivo absoluto. No marketing das mercadorias tornou-se um valor favorável independentemente da real qualidade do produto. A consideração positiva sobre o que é novo aplica-se indistintamente a todas as ações e produtos da sociedade contemporânea com tal intensidade que inovação tornou-se um tema de interesse prioritário. A inovação útil é aquela que melhora a qualidade ambiental e social das ações, dos processos, dos produtos valorizando não somente os efeitos com a totalidade da ação efetuada. É necessário enfrentar o tema da inovação com toda a crítica disponível para se verificar quais as reais vantagens que um modelo novo tem, sem sermos entusiastas per si da novidade, conscientes de que atrás desse entusiasmo induzido se escondem os problemas que a inovação tecnológica traz.

Extraído de http://www.anarca-bolo.ch/a-rivista/337/dossier_sostenibilita.htm

Deixe um comentário

Arquivado em Agricultura familiar, Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo, cooperativismo, Desenvolvimento sustentavel, Ecologia Social, Politica, poluiçao ambiental, relacao ser humano / natureza

Sustentabilidade: a escolha libertária III

Para aqueles que acham que os anarquistas somente fazem críticas, continuamos com nossa série de ações de A a Z a serem empreendidas para garantir um mundo equilibrado, responsável, igualitário, livre e sustentável.

Carne e combustíveis

É um dado conhecido que em cada passagem da cadeia alimentar grande parte da energia não é transferida para o elo seguinte: por exemplo, cada porco produz cinquenta quilogramas de proteínas consumindo setecentos e cinquenta quilogramas de proteínas vegetais. Resumindo,para produzir carne nas quantidades consumidas atualmente é utilizada uma quantidade de alimentos vegetais que sozinhos serviriam com folga às necessidades alimentícias de todos os habitantes do planeta. O aumento do consumo de carne portanto tem implicado , além das modificações do panorama agroflorestal e social de muitos países, o desperdício de potencialidades nutritivas enormes. A produção de combustíveis vegetais, caso mais recente, segue pelo mesmo caminho: além de aumentar o preço dos cereais em todos os mercados, colocando em dificuldade os consumidores mais pobres e somente trazendo vantagens para os produtores mais ricos, implica no uso de alimentos para a combustão, perdendo nessa transformação uma enorme quantidade de energia. Usar a produção agrícola somente para alimentação, reduzir a cadeia proteica, é a garantia de utilizar ao máximo as potencialidades dos ecossistemas naturais e da energia nelas existente.

Casas nos subúrbios

Modelo de urbanização que prevê a residência em locais afastados com uma casa de dimensões maiores do que o necessário, jardim, com todas as estruturas que as possibilidades econômicas permitem, e o trabalho na cidade. Um desperdício ambiental enorme, em termos de consumo de recursos, e de consumo energético para os deslocamentos. Para respirar um ar mais puro se percorre dezenas de quilômetros de carro, poluindo, uma das causas das alterações na atmosfera, diretamente provocadas pelo afastamento dos centros urbanos. Frequentemente não é uma escolha (as casas custam menos quanto mais distantes estão do centro) mas se fosse uma escolha seria ambientalmente e socialmente nociva. Deveríamos trabalhar no lugar e na comunidade em que se reside e permanecermos ali.

Causa-efeito

O modelo econômico e social praticado intervêm somente sobre os efeitos; dessa maneira, não faz autocrítica, nem modifica os comportamentos já consolidados criando novas mercadorias e ampliando o mercado existente; intervir nas causas obrigaria ao contrário, a uma mudança das práticas comuns e a uma redução na oferta de mercadorias. Cada ação eficaz voltada para a sustentabilidade trabalha sobre as causas e no caso, simultaneamente, para a redução dos efeitos.

Comunidade

Restabelecer as relações diretas entre os indivíduos e os recursos locais é o meio para reequilibrar a relação entre a população e o meio ambiente. Os indivíduos não tem consciência dos efeitos negativos que o seu comportamento produz em outros lugares; nem compreendem a importância da gestão adequada dos recursos existentes em seu território. Para refazer as relações deve-se sustentar a economia local, não sucumbir ao mercado global, e ampliar o espaço para a capacidade técnica e criativa dos indivíduos. O lugar social onde isso pode ocorrer são as comunidades de indivíduos, entendo isso como comunidades geográficas ou territoriais, autogestionadas, culturalmente homogêneas, mas não fechadas, economicamente e socialmente autônomas, capazes de administrar diretamente, em comum acordo, e de modo sustentável os recursos e o meio ambiente.

Comunidade aberta e identidade

O modelo econômico contemporâneo, para permitir a comercialização das mercadorias globalmente e de modo padronizado, desestrutura as comunidades locais. A cultura local é estreitamente ligada aos lugares, no sentido de que se alimenta da estreita relação existente entre o indivíduo e o meio ambiente em que ele está inserido. O distanciamento dessa relação aumenta o impacto ambiental na comunidade no lugar onde ela está estabelecida. A manutenção de uma cultura local é a única garantia par a permanência da comunidade e das relações entre essa e o meio ambiente. Isso não implica na criação de comunidades fechadas, nem na reorganização de antigas limitações sociais para a circulação de pessoas, implica exclusivamente na oportunidade de reencontrar um equilíbrio local, de sair do mercado capitalista e de suas imposições culturais, de conservar uma identidade; e tudo isso é possível através de uma contínua e positiva, mas autônoma, troca com as comunidades externas.

Concorrência/mercado livre

O desastre ambiental é detonado por uma hiperprodução que tenta reduzir os custos e ocupar segmentos de mercado sobre outros produtores. Desse modo, se produzem mercadorias desnecessárias (como o são grande parte daquelas produzidas na sociedade de consumo) que não satisfazem os consumidores (como grande parte daquelas da sociedade de consumo) e em quantidades muitas vezes superiores ás demandas do mercado (já inchado) em razão da grande quantidade de produtores. Essa condição é uma aberração no mercado global mas poderia não o ser em níveis locais onde os produtores produzem basicamente para as comunidades onde residem em função de suas demandas (limitando dessa forma o desperdício de energia para a fabricação, distribuição e comercialização).

Consumidores

A diferença entre um indivíduo e um consumidor é definida pelo nível de crítica apresentada em relação às promoções comerciais e à quantidade de mercadorias adquiridas. Na sociedade contemporânea não ser um consumidor é muito difícil mas a mudança de comportamento é a primeira garantia para a limitação do mercado global e para a redução do “peso ambiental” de nossa presença no planeta.

Consumo

Na sociedade de consumo as mercadorias não se consomem: são reduzidas a dejetos sem serem usadas completamente. A sociedade é portanto uma sociedade de resíduos, de descarte rápido das mercadorias, de desapego sentimental em relação aos bens utilizados. Os objetos são todos diferentes mas tornam-se indiferentes a quem os usa, e vem substituídos rapidamente sem deixar memória, somente uma profunda herança física (aquela do resíduo). Reduzir as compras, reduzir o consumo de mercadorias, manter os objetos por mais tempos, reutilizar objetos, gastá-los até seu fim, consertá-los, torna-se indispensável para frear uma produtividade que não nos traz nenhum bem estar.

Crescimento

O perseguição do crescimento é substancial para este modelo econômico e cultural. A riqueza dos países e das corporações é medida em quantidade de produto bruto e pela capacidade de aumentá-lo ano após ano. Mas os mesmos critérios governam a vida dos indivíduos. O crescimento individual advém quando a condição sucessiva é quantitativamente superior àquela precedente; quando existe a possibilidade econômica são substituídas as condições materiais por outras de maior quantidade (a casa de tamanho maior, o automóvel de maior cilindrada, o computador mais potente, etc.) Pois, o ilimitado crescimento material apesar de todos os esforços tecnológicos que possam ser feitos, não é praticável pelo fato de que, ao contrário, os recursos naturais, são limitados. Além da evidente inutilidade do crescimento quantitativo é oportuno considerar que não é possível perseguir o objetivo do crescimento; existe um limite que, por mais distante, que o queiramos colocar (mas que nós aqui o entendemos como estando muito, muito próximo), ele existe e ao ser alcançado implicará no bloqueio do crescimento. É, portanto, fundamental transformar o comportamento cultural repensando não somente a vida dos indivíduos mas também aquela da produção que deveria retirar as suas vantagens da qualidade da produção e não de sua quantidade, na continuidade temporal das atividades, na manutenção de uma quantidade de produtos conectada com as reais necessidades da comunidade a que esses eles são dirigidos.

Comércio ambulante

O meio mais ecológico para permitir a distribuição das mercadorias: um número limitado de mercadorias, em um meio de transporte alcança uma população parada. A movimentação pode ser de até duas toneladas. O modelo de centros comerciais está baseado nos deslocamentos dos indivíduos em quantidades médias de uma tonelada e meia per capita (além dos deslocamentos das mercadorias para os centros comerciais) o que torna evidente ser uma modalidade de alto consumo energético, além do que socialmente seletiva (quem não tem carro, quem não quer se deslocar, quem não pode se deslocar está excluído). Agilizar o pequeno comércio ambulante porta a porta tem um alto valor ambiental.

Demolição

Uma prática de construção civil em crescente difusão prevê a demolição de edifícios, mesmo que eles ainda estejam em boas condições, e a sua substituição por edifícios novos. Através disso conseguem dar formas mais contemporâneas às construções, aumentar o valor imobiliário dos edifícios, aumentar os empréstimos, obter mais lucros. Se do ponto de vista econômico é um negócio, do ponto de vista ambiental é um dano grave. A construção necessita de energia para a produção e transporte dos materiais e para a construção dos manufaturados; essa energia é guardada pelo edifício. No momento em que ele é derrubado toda essa energia é perdida. A ela soma-se a energia para a demolição, aquela para a limpeza e aquela necessária à construção de um novo edifício. Um prática profundamente insustentável que causa efeitos deletérios e também sociais: os novos residentes raramente são os mesmos que antes lá moravam nas antigas habitações (o aumento do valor imobiliário exige preços de aluguel e de venda superiores), e no caso de serem ainda os mesmos, se encontrariam em um contexto de moradia diferente aquele conhecido por eles. Existem muitas maneiras para intervir com o fim de de aumentar a qualidade dos edifícios, a demolição deles não é uma delas.

Distribuição

A mobilidade das mercadorias é uma das características do modelo do mercado global. As produções concentradas substituem as produções locais através de um custo menor obtido com o incremento da quantidade produzida e pela localização das unidades produtivas em territórios onde os controles ambientais são reduzidos e o custo da mão de obra é barato. Os custos ambientais e sociais conexos são enormes para o consumo de energia e as emissões relativas à hiperprodução e ao transporte, sem contar a total desestruturação do antigo aparelho produtivo local. Esta condição torna-se ainda mais grave quando é realizada no setor do agronegócio. Comer alimentos produzidos em territórios próximos, além de evitar o deslocamento das mercadorias e reduzir os consumos energéticos, fortalece economicamente as comunidades locais.

Desenvolvimento

O único desenvolvimento possível não é o econômico, é o cultural que não consome mercadorias nem polui a natureza.

Extraído de http://www.anarca-bolo.ch/a-rivista/337/dossier_sostenibilita.htm

Deixe um comentário

Arquivado em Agricultura familiar, Agricultura organica, Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo, Contaminacao quimica, cooperativismo, Desenvolvimento sustentavel, Ecologia Social, Politica, poluiçao ambiental, relacao ser humano / natureza

Sustentabilidade: a escolha libertária II

Um mundo ambientalmente sustentável é possível. Não essa sustentabilidade da Cosipa, da Carbocloro, da Cubatão verde, das montadoras de veículos, da Petrobrás, da Bandeira azul do Tombo, do Porto de Santos, da fabricação de ISO 14.000, de EIA-Rimas falsificados, de IBAMA e CETESB que nada tem de ambientais, assim como os cursos de Ciências Ambientais de onde saem esses pseudo técnicos. Não estamos falando desse BESTEIROL verde a que um conluio de capitalistas, arrivistas, falsos defensores do meio ambiente, a serviço de seu próprio enriquecimento submergiram toda a luta ambientalista das décadas de 1970 e 1980. Sustentabilidade é autogestão, controle da vida pelos próprios indivíduos, luta contínua contras as corporações, repensar completamente a existência, torná-la menos individualista mais coletiva. A sustentabilidade não é uma palavra do vocabulário capitalista pois ela implica em coletividade, comunidade, cooperação, controle dos recursos pela população. De A a Z apresentaremos as pautas para a verdadeira sustentabilidade:

Adaptação às mudanças climáticas

A compreensão de que as mudanças climáticas em curso determinam profundas transformações aos ecossistemas naturais evidenciam a necessidade de se adaptar o uso às novas condições do planeta. A tomada de consciência das mudanças e das causas antrópicas que as determinaram deveria implicar na revisão dos modos de uso e não na privatização dos sistemas para obter a mesma produtividade. O uso intensivo dos sistemas naturais é acompanhado de uma condição de desequilíbrio do sistema e portanto de um incremento do risco de colapso. As adequações, quer dizer, as intervenções capazes de reduzir os efeitos das mudanças climáticas, podem ser positivas se comportam consigo um repensar sobre os erros cometidos e se não forem meros paliativos, sem a remoção das causas que determinaram as modificações climáticas.

Adequação dos espaços urbanos

Os habitantes adequam o espaço de suas habitações e teriam direito de adaptar às suas modalidades de vida os espaços de seus assentamentos. Atualmente os habitantes sofrem um tipo de organização urbana definida pela especulação imobiliária e, eventualmente, por um tipo de planejamento urbano em que não está previsto a ação ativa e direta do cidadão. Retomar essa delegação que a sociedade industrializada inicialmente e aquela de consumo atualmente cederam aos técnicos, recuperando a possibilidade de intervenção do cidadão e da comunidade, sem causar danos ao meio ambiente e incomodo às pessoas, deveria ser um aspecto positivo da cultura de uma nova sociedade.

Artesanato

O trabalho artesanal permite uma gestão melhor do processo produtivo pelo indivíduo. Além de tudo, é uma modalidade que permite a permanência de uma capacitação técnica no interior da comunidade. Essa capacitação possibilita a construção e a manutenção de manufaturados em modo mais autônomo. O artesanato é caraterístico dos lugares e portanto está em harmonia com os recursos e as culturas locais, adaptando as transformações técnicas ao modelo do lugar. A difusão de uma cultura artesanal permite a redução da penetração do comércio corporativo global.

Autoprodução energética

Os megaprojetos de geração de energia, mesmo aqueles de fontes renováveis, concentram a produção, e portanto, o lucro, e retiram as comunidades locais da gestão de um aspecto fundamental da própria existência. Permitem o monopólio, a predefinição dos preços, mas principalmente implicam em um enorme desperdício de energia na distribuição e sobreprodução (que existe ainda que recolocada na rede). Realizar projetos locais, mesmo que individuais, (mini hidrelétricas, mini eólicas, biomassas, térmicas, solares, etc.) torna possível a redução dos impactos ambientais, o controle dos empreendimentos, a gestão direta dos custos e dos consumos pela própria comunidade.

Autoprodução de alimentos

Produzir diretamente o próprio alimento ou dirigir-se a quem o produz localmente reduz o mercado da alimentação industrializada, torna possível a autonomia alimentar dos territórios e comunidades, aumenta a possibilidade de controlar diretamente a qualidade dos produtos, gera trabalhos. Constitui uma forte ligação entre as comunidades e as áreas produtoras a ajuda a compreender a centralidade do equilíbrio entre o uso e a conservação das potencialidades naturais. Sustentar a autoprodução agrícola, participar e utilizar circuitos comerciais autogestionados.

Autoconstrução

A capacidade de construir e adaptar os espaços onde morar é inerente ao ser humano. Delegar totalmente esta prática a terceiros, não participar da construção e manutenção do próprio meio ambiente limita as potencialidades humanas e inibe a qualidade de vida. Os indivíduos podem contribuir diretamente ou indiretamente na definição do espaço físico onde moram, conscientes da necessidade de se trabalhar de modo a reduzir os efeitos negativos e diminuir o dano causado ao meio ambiente devido ao uso e à transformação do mesmo. Participar de processos de autoconstrução, construir a casa por si próprios ou ainda reformar as autoconstruções já existentes.

Automóveis

A cada dia grande parte dos cidadãos do mundo e entupida com uma obsessiva publicidade de veículos particulares sobre rodas. Se não existisse essa publicidade constante quase que certamente seriam vendidos muito menos automóveis, a nossa sociedade não seria automóvel-cêntrica, não teríamos problemas de poluição urbana, etc. etc. No modelo atual a mobilidade individual sobre rodas aparece para muitos territórios como algo indispensável e insubstituível (se pensarmos aos assentamentos distantes de casas espalhados por todos os lados). Mas não é assim. Podem ser organizadas muitas outras modalidades de transporte a partir daquele individual a motor (motocicletas de pequena cilindrada) bicicletas ou outros que possam ser usados em percursos de menor distancia ou recorrer a carros de uso comum, de menor cilindrada e de dimensões menores. Pode-se fazer isso já, sem muito sacrifício, sem mudar as regras que existem: quem não que fazer individualmente essa mudança, quem possui como escolha de vida ter carros de grande cilindrada, de grande dimensão, novos é um indivíduo dono de uma cultura autoritária, poluidora e socialmente danosa.

Extraído de: http://www.anarca-bolo.ch/a-rivista/337/dossier_sostenibilita.htm



Deixe um comentário

Arquivado em Agricultura familiar, Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo, Contaminacao quimica, cooperativismo, Desenvolvimento sustentavel, Ecologia Social, Politica, poluiçao ambiental, relacao ser humano / natureza

Sustentabilidade: a escolha libertária I.

Antídoto para um modelo incapaz de fornecer soluções positivas para o futuro.

Idéias para entender, viver e opor-se ao novo modelo de lucro.

Muita gente tem nos perguntado, ah vocês são anarquistas, que legal, mas o que vocês pretendem para o mundo, quais as suas propostas, que soluções vocês têm?

Com isso na cabeça, conversamos no CAVE sobre o que poderíamos apresentar de ideias que sintetizassem as nossas preocupações e, ao mesmo tempo, apontassem para uma nova direção no futuro. Encontramos a melhor resposta no dossiê Sustentabilidade organizado por Adriano Paolella e Zelinda Carloni e publicado na Revista A no. 337, de julho de 2008, Milão (Itália).

Nós vamos traduzir essa matéria e publicá-la  em uma série de posts seguidos.

Quem quiser pode ler o texto na íntegra em italiano ou em inglês no link:

http://www.anarca-bolo.ch/a-rivista/337/dossier_sostenibilita.htm

Premissa

A piora contínua das condições ambientais do planeta baliza, sem sombra de dúvida, que neste momento a humanidade não se encontra em condições de receitar uma política apta a inverter as tendências em curso. Apesar de haver uma consciência difundida e um profundo conhecimento científico das modalidades com as quais o homem altera o meio ambiente e sobre como essas variações comportam efeitos negativos, imediatos e duradouros para a saúde da Terra, apesar de haver todo o instrumental técnico necessário para modificar as causas, não é efetuada nenhuma ação abrangente que possa reduzir os fenômenos de degradação existentes.

Há uma dezena de anos o termo sustentabilidade tornou-se parte da linguagem cotidiana, indicando com isso a pesquisa e a prática de soluções que possam não piorar ainda mais as condições do planeta. Dessa maneira, apesar de a definição do termo parecer aleatória, mesmo assim, indica-se com ele a possibilidade de que existam escolhas concretas a serem perseguidas.

Atualmente é possível fazer um balanço sobre o quanto foi feito nesse sentido nos últimos trinta anos por várias dezenas de países, e por quase todas as organizações internacionais onde se enfrenta o problema da sustentabilidade, pode-se concluir que o modelo praticado piorou de modo significativo a já grave situação. E isso, apesar da imprecisão que gera o termo sustentabilidade, apesar da grande confusão terminológica criada pelos gestores ambientais para mistificar as próprias ações e apresentá-las como ambientalmente qualificadas. Os sucessos alcançados são parciais, específicos, locais e contribuíram para demonstrar não somente que outros percursos são possíveis de serem seguidos como mostrar que, mesmo existindo a capacidade técnica ela não é perseguida de modo consistente.

A grande confusão gerada interessa às modalidades com as quais vem sendo atribuído o adjetivo sustentável ou ambiental, aos projetos, às mercadorias, aos manufaturados, isso evidencia como a cultura deste modelo tenha uma má consciência. A má consciência de saber perfeitamente que um percurso de sustentabilidade muda profundamente a estrutura cultural, social e produtiva de uma sociedade e a vontade de não querer absolutamente mudá-la, mesmo com o risco da saúde de toda a população planetária. A sustentabilidade é incompatível com esse modelo, é alternativa. Porque fala uma outra língua. Se quisermos adotá-la, em primeiro lugar não é possível falar em crescimento, devemos reduzir as quantidades, redistribuir a riqueza para permitir uma melhoria do bem estar de muitos, eliminar a cultura competitiva do espelho que é a razão da corrida ao enriquecimento, eliminar a acumulação, aumentar a autonomia e o poder da comunidade.

Para bloquear a piora contínua das condições do planeta, não são suficientes os passos de lesma dos governos, é necessário receitar um processo amplo de requalificação e conservação ambiental que limite os interesses daqueles que são os motores desse modelo, que reeduque os lucros, que modifique a cultura alienada das pequenas vantagens de uma sociedade danosa para o meio ambiente e nociva para os humanos. Para fazer isso entendemos que devam ser adquiridos comportamentos individuais e coletivos que permitam sair da armadilha letal do cotidiano, da escravidão das mercadorias, da servidão a hábitos errados, do autoritarismo das decisões, da determinação dos poderes econômicos. Isso somente pode ser feito no âmbito da cultura libertária. Em seguida traçaremos pequenas reflexões voltadas para apresentar o quanto de insustentável existe no modelo praticado, o quanto é importante ter clareza sobre comportamentos aparentemente sustentáveis e quão facilmente praticáveis são outras formas de vida social no planeta.

(traducao Carlo Romani)

1 comentário

Arquivado em Agricultura familiar, Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo, cooperativismo, Desenvolvimento sustentavel, Ecologia Social, Politica, relacao ser humano / natureza

República significa que “as coisas devem ser públicas”

Como estamos em uma República, a res publica, ou seja, a coisa pública, então tudo o que esta no Estado é do interesse do público. Com base nisso, publicamos a relação de altos salários de alguns funcionários na Prefeitura do Municipio de Cubatão, informacao que já está circulando pela internet. Se for verdadeira a informação, é bom que os cidadãos saibam, já que a coisa é pública. Se for falsa a informação, ela será retirada, e aguardaremos o envio da informação verdadeira para ser publicada em seu lugar. Afinal de contas, a coisa é pública.

Deixe um comentário

Arquivado em Baixada Santista, Cubatao, Politica

É SÓ RECICLAR! – A memoria da Praia do Tombo

Dia 7 passado, a Guarda Municipal de Guarujá foi até o canto esquerdo da Praia do Tombo, para quem olha para o mar, e literalmente destruiu o trabalho artístico-educativo de coleta do lixo não degradável da praia, trabalho que vinha sendo realizado no lugar há vários anos pelo Lúcio, o Véio, como era conhecido. Ele chamava esse espaço de É SÓ RECICLAR! Esse trabalho que alertava a populacao da sujeira que chega pelo mar a todas as praias deve ter sido considerado arcaico pela Prefeitura. Moderno foi hastear a Bandeira Azul “to english see… and spend money”. A cidade deve ser repleta de museus, equipamentos culturais, projetos socio-educativos, etc. para se destruir um trabalho pronto com o argumento de ocupar area publica. Equanto isso, as dezenas de quiosques  montados sobre a Praia da Enseada, um verdadeiro lixao, com esgoto e ratos a ceu aberto, permanecem e a Prefeitura, o que faz? Talvez, passe por la e va tomar uma caipirinha. Daqui por diante, quem quiser conhecer qual foi o trabalho realizado pelo Lucio vai ter que recorrer às fotografias ou aos vídeos como estes que mostramos aqui e que o registraram durante anos seguidos.

Com estas imagens queremos manter essa memória preservada, uma memória lúdica, mas também de luta, uma memória necessária ao nosso país – às vezes tão “moderno”, a Praia do Tombo ganhou a Bandeira Azul de excelência internacional em qualidade sanitária, ambiental, balneabilidade, blá, blá, blá, às vezes tão arcaico, “aos amigos tudo, aos inimigos a lei”. Essa eterna condição arcaico-moderna: desde o pau-brasil o meio ambiente é um problema ao crescimento; um país onde a vingança tarda, mas não falha que o diga a família do Romazzini; onde impera a moral conservadora e violenta no cotidiano em que estamos submersos; onde o moralista de fachada estupra mas nao mata; onde os bandidos governam estados oficiais e paralelos, cada qual com seus jaguncos; e onde a população dócil, pacífica, mansa, de índole ordeira como rezavam as cartilhas antigas de Moral e Cívica, vai levando a vida, com jeitinho, nas brechas, nas fraudes, nas sonegações, nas trapaças, nas pequenas corrupcoes, porque as grandes… Esse o nosso Brasil, um lugar onde a transgressão não é nada transgressora, ela é a própria ordem instituída.

Mesmo assim, vamos fazer o coro bem forte para essa gente: oiooo, uoooou!

Alertamos que desta vez, por uma questao de respeito aos familiares do Lucio, os comentarios ofensivos serao rejeitados.

Visitem o livro de assinaturas do projeto:

http://picasaweb.google.com/karlinageorgia/ESORECICLAR#5561668084856780914

9 Comentários

Arquivado em Autonomismo, Baixada Santista, Ecologia Social, relacao ser humano / natureza

Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas

IX ELAOPA (Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas)
22, 23 e 24 de Janeiro de 2011, São Paulo.

Este encontro surge no ano de 2003, como um espaço alternativo ao Fórum Social Mundial (FSM), onde não participam partidos políticos, ONG’s e nem representantes de governos; entidades estas, que diferem de nossa realidade e das intenções de nossas organizações. O ELAOPA pretende então, juntar, encontrar e articular a luta de organizações populares da América Latina, colocando- as como atoras à partir das suas necessidades, realidades, e anseios. O ELAOPA pretende ser um encontro catalisador da luta popular, com real independência de classe e, com objetivo de maior integração dos movimentos sociais nos diversos lugares da América Latina.

Assim, os encontros já foram realizados no Brasil (2003), Bolívia (2004), Argentina (2005), Uruguai (2006), Chile (2007), Brasil (2008), Argentina (2009) e Uruguai (2010), participando organizações das mais diversas atividades: agrupações sindicais e sindicatos, coletivos culturais, muralistas, grupos de teatro, movimento de piqueteiros, desempregados/as, movimentos de luta pela terra, coletivos feministas, centros sociais, ateneus, organizações camponesas, ecologistas, coletivos em defesa dos direitos humanos, entidades estudantis. Um dos principais eixos que sempre estão em nossos encontros tem sido a construção do poder popular, por uma perspectiva autônoma e de base, ou seja, desde baixo, capaz de resistir à opressão capitalista e criar alternativas de luta conjuntas, a partir da solidariedade entre os/as companheiros/as agredidos.

A coordenação e articulação dos movimentos sociais se fazem necessárias para que seja possível fortalecer a construção do poder popular à partir da participação de todas e todos, e desenvolver reflexões e análises coletivas que possam fornecer instrumentos e sugerir caminhos para a luta anticapitalista. Desta forma, lhes convidamos a participar do Encontro. As inscrições poderão ser realizadas até o dia 10/01/2011, estamos também solicitando uma contribuição de inscrição no valor de 25,00 (vinte e cinco reais) para os custos de alimentação e infraestrutura do lugar.

O local do encontro será no Centro de Formação Campo Cidade do MST/Regional SP na cidade de Jarinú, Grande São Paulo. Inscrições e dúvidas pelo email: ixelaopa@riseup.net
Contamos com vocês !!!!
Arriba los que luchan!
Comissão de Organização do IX ELAOPA
http://www.elaopa.org

Deixe um comentário

Arquivado em Anarquismo, anti-globalizacao, Autonomismo

Musica e debate no La Taverna

LA TAVERNA é o espaço eco-cultural da organização realmente não governamental VERDE AMÉRICA, espaço alternativo aberto em Praia Grande pelo companheiro JASPER. Vamos aparecer por la neste sabado:



Deixe um comentário

Arquivado em Anarquismo, anti-globalizacao, Baixada Santista, cooperativismo, Uncategorized